terça-feira, 28 de julho de 2009

Livro Metodologia do Ensino da Educação Física

O Livro Metodologia do Ensino da Educação Física apresenta uma breve biografia de Muska Mosston (1925-1994), uma personalidade irreverente, prodigiosa e revolucionaria, criador do Spectrum de Estilos de Ensino.

A expansão do Spectrum de Estilos de Ensino de Mosston em muitos paises.

A Criação do Spectrum com o objetivo de reduzir a fragmentação no Ensino é apresentada como uma estrutura integrada para ensinar, uma teoria pedagógica expandida.

A expansão do Spectrum é analisada a partir da bibliografia existente assim como estudos e experimentações das participações em congressos pela Profª. Dircema.

As bases de compreensão do Spectrum de Estilos de Ensino, termos, definições, premissas são analisados e apresentados sob a Nova .... visão! apresentada como Tese Complementar de Doutoramento na Faculdade de Motricidade Human, Lisboa, 1996.

A visão tradicional do Comando à Descoberta passa a ser estudada a partir da cognição porque entendemos que todo o processo de aprendizagem é primeiro de tudo Cognitivo.

Exemplos de exploração nos diferentes estilos de ensino pela operacionalização dos comportamentos.

Em apêndice apresenta-se tendências e pesquisas do Congresso de Haldikiki (2007) na Grécia e uma relação de competências/habilidades em cada estilos de ensino.

Portanto, o Spectrum é uma estrutura aberta a novos desafios para os profissionais da Educação e principalment esta obra é dedicada à Educação Física.

terça-feira, 26 de maio de 2009

Dra. Dircema Franceschetto Krug lança livro.

O lançamento será no 8º Forum Internacional de Esportes, durante a palestra do Dr Ruy Jornada Krebs e no 14º Congresso Catarinense de Educação Física, nos sábado de manhã, dia 30 de maio de 2009.

Dra. Dircema Francescheto Krug lança livro

O lançamento será no 8º Forum Internacional de Esportes, durante a palestra do Dr Ruy Jornada Krebs

no 14º Congresso Catarinense de Educação Física, nos sabado de manhã, dia 30 de maio

Arno

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Biografia

Muska Mosston 1925-1994
Moshe (Muska) é uma versão hebraica do nome Moisés, filho de Pia e Benny Mosston, vindos de Kiev (U.R.S.S) extremamente opostos em tudo exceto no seu idealismo. Deles Muska herdou a lealdade, habilidade para sacrificar-se pelas suas verdades e consistência ética da mãe. Do pai herdou a energia, a emoção, o amor pelas pessoas, a arrogância, a competência, a necessidade de ser o centro da atenção. Pnina Peroch-Saphir sua primeira namorada é que o chamou de Muska e como ele tinha dificuldade para chamá-la pelo nome correto dizia Putiua.

Tocava violino (1930) devotadamente em todos os seus momentos livres e era considerado um prodígio. Em 1940 como voluntário na guerra e com as demandas acadêmicos dá pouca atenção à musica. Em certa ocasião tinha que escrever um ensaio e ele não o fez apenas escreveu o título resultado do ócio e deixou a página em branco, o professor deu 10 pela criatividade e pela performance a média 5 (D), a mãe foi chamada pelo diretor. Sempre teve sucesso com mulheres, apenas com a professora de inglês, Miss Levin, em relação a qual ele desenvolveu uma síndrome e ele dizia que ele dizia que o problema dela era que ela odiava a sua masculinidade.

Em 1942 bancou o Sherlock Idolures descobrindo o sumiço de uma pistola num campo Judeu na Palestina. Pertenceu a polícia Judia com 17 anos e tinha uma égua chamada Diane.

1944 Curso de Educação Física de uma ano em Tel-aviv, 11meses, 6 dias por semana, 9 horas por dia. Foi amigo de Nesher um pensador criativo e muito o assessorou no curso. Ele apostava com seus colegas e levava muitas vantagens. Gostava de filmes de amor orientais, e costumava chamá-los de educacionais. Mostrava ás vezes comportamentos incompatíveis com o desejado para ser professor (impulsivo, irreverente) foi expulso e reconduzido a escola. Ele argumentava que iria continuar e não seria igual aos seus professores porque alguma coisa estava faltando na metodologia dos mesmos. Não sabia o que realmente, mas começou a pensar nisto. Tentou estabelecer recorde no declato ficou perto dos padrões israelenses no dardo e salto com vara.

1954 – participou da parada do dia do trabalho em Tel-aviv como porta bandeira.

1945 – inicia num vilarejo perto de Israel a ensinar Educação Física ensinando uma variedade de esportes e em pouco tempo criou de competições e costumava transportar em sua motocicleta, lembranças agradáveis para muitos de seus alunos.

1947 /78 – comandou um grupo de jovens para defender Tel-aviv dos Árabes.

Certa vez um colega queria ir a um concerto da Orquestra Filarmônica Palestina e o ingresso era muito caro e ele disse deixa comigo. Ele vestiu-se a rigor pegou seu violino e se introduziu para o local de apresentação da Orquestra sem pagar ingresso.

1948 – O Exército de Israel estrutura um curso para treinamento de instrutores de Educação Física e Muska ensinava exercícios na trave e perseguindo vários objetivos de equipe do trabalho além da experiência estética. Foi voluntário também como instrutor em uma nova tropa em 1948 e trabalha arduamente para restabelecer o moral da tropa após incidentes de campo.

Em 1949 Israel requisitou professores para atender a recente massa de imigrantes, Muska e Simri colocam em ação suas idéias de treinamento técnico.

Após a guerra tornou-se mais sério, levou Sira a treinar dardo diariamente o que o obrigou a levar o implemento para espanto dos professores em aula.

Em 1950 Muska decidiu continuar seus estudos nos Estados Unidos mostrando também seus pendores musicais e culinários no apartamento (Harlen) em que dividia. Muska mostrava nesta época em sua companhia jamais era aborrecente. Tocava Violino maravilhosamente, lançava dardo.

Em 1955 – foi convidado a chefiar o departamento de Educação Física em Jerusalém na Universidade Hebraica, mas ao chegar com sua família foi informado que a pessoa que o havia contratado não tinha este poder e ele então ficou com os seus em um quarto do apartamento de dois quartos de Simri. Fez palestra dizendo que não havia nenhum estilo de ensino dominante foi aplaudido por professores jovens e dito pelos antigos que isso não era idéia nova , oficiais de polícia e acertou que a Universidade pagasse sua viagem de retorno aos Estados Unidos em 1956. De 1957 a 1959 ensinou Educação Física e Ciências em Newark. De 1950 a 1960 em vários verões dirigiu campos de férias para cegos.

Seus filhos nasceram em 1954, 1958 e 1960. Em 1959 foi para a Rutgers University onde foi colega de Rudy Mueller o qual relata a criatividade de Muska Mosston nas suas propostas de Educação Física para um novo milênio.

1960 – mudou o nome do departamento de Educação Física para Cinesiologia e mudou-se o centro de Artes, eliminou o programa de Mestrado, separou Educação Física de Esportes, alterou programas. Sua atividade foi considerada agressiva e suas idéias malucas pelos seus colegas treinadores.

Suas idéias e conceitos visaram levar os professores a serem mais conscientes e deliberados nas suas ações com os estudantes. Em 1960 já utilizava materiais alternativos. Em 1963 é chefe de departamento de Educação Física instituindo de um programa de Educação Física rigoroso e trabalhava arduamente para profissionalizar o campo de Educação Física e ganhar o mesmo respeito que as outras disciplinas. Um gênio indisciplinado, assim era visto neste período. Durante sete anos trabalhou no programa SHAPEUP de televisão (CBS) que visava aux9liar crianças a buscar e manter Aptidão Física, sua presença era muito forte. Num dos shows utilizando Estilo Recíproco e uma menina disse que não iria corrigir o seu par frente às câmeras de TV e ele perguntou se ela não teria coisas boas para dizer e pediu que ela praticasse isto, embora ela dissesse que os professores só referiam aos erros. Em 1964 mostrou-se diferente a uma mesma turma de alunos dizendo que p professor poderia exercer diferentes tipos para ensinar.

O 1º livro em 1965 – Desenvolvimento de movimentos tratava dos movimentos em três dimensões, desenhado por Muska foi traduzido para o espanhol, mas julgou ter recebido pouco reconhecimento profissional; antes de publicá-lo trabalhou cinco anos duramente nos seus conceitos em suas classes.

O conceito de Inclusão já era operacionalizado em 1960 por ele há muitos anos, pois mudou a altura das cestas (basquete), altura da rede (voleibol), tamanho dos campos (futebol) e das bolas, esse conceito foi estendido à de equipamentos na East Strodsburg University, muitos dos equipamentos foram construídos. Em 1990 recebeu financiamento para suas idéias de equipamentos da Sport time e Dr. Barry Traub assumiu esta incumbência.

Em 1966 – mostrou seu dinamismo e energia em treinamento para professores na University of South Florida. Em 1967 recebe prêmio pelo seu livro. De 1966 a 1969 – assume como diretor de programação o Campo de verão Laurel para crianças mentalmente retardadas e as crianças puderam experimentar o sucesso nas experiências por ele propostas.

A preferência de Mosston pelo Estilo Descoberta Guiada era observada até pelo espaço maior que assegurou em seu livro quando comparado ao Estilo Comando.

Em 1968 a convite de Larry Locke, Ane Jewett e Tom Evaul, apresentou suas idéias em uma conferencia regional na Universidade de Pitts Burg, sendo considerado uma estrela em ascensão. Mostrou toda sua paixão ao expor suas idéias, um guerreiro em combate. Embora Mosston tenha concluído seus créditos de doutorado, decidiu-se não submeter-se ao comitê da Rutgers Univesity para julgamento sua dissertação vista em alguns dos procedimentos do Exame de Graduação os quais julgou um insulto à sua inteligência, então saiu da sala em cinco minutos porque considerou o comitê não qualificado para avaliar suas idéias. Outra versão é de que ele apresentou em formato de livro e por isso teria sido rejeitado. Sem essa defesa ficou fora do Sistema Universitário.

Em 1969 introduziu o Spectrum no Canadá e para lá retornou por três verões consecutivos para atender o convite de várias províncias, universidades e professores de várias disciplinas. Iniciou neste ano seu divorcio o qual foi concluído em 1973, e na corte em 1980. Comunicou um Workshop em Filadélfia que ele e Rudy Mueller estariam deixando a Rutgers, Michael Goldberg e Michael Sherman mudaram o foco de seus estudos da fisiologia para pedagogia motivados pelas idéias de Mosston.

Em 1970 – Ele alegava saber mais que os professores que os professores que o iriam argüir na dissertação e não iria submeter-se às suas regras.

Em 1970 acompanhava as classes de Sara Ashworth tomando notas, dando elogios, fazendo correções e ela com isto melhorou muito seu auto-conceito e afirma que Muska tinha uma paciência de Jó. Em 1972 e 1973 esteve desempregado. Na Finlândia o novo currículo de 1970 foi subsidiado pelo livro Ensinando Educação Física de 1966 traduzido. Muska poderia Ter ficado milionário trabalhando para a perda de peso das pessoas, um talento seu muito especial porque os Workshops na hora do almoço nos fazia ficar sem almoçar para estar presente. Neste mesmo ano Mosston inicia um ciclo de confer6encias na British Columbia em Kingston – Ontário que se estenderia por várias ocasiões e provocara por 23 anos o envolvimento dos estudantes no Spectrum, o spectrum ainda é experimentado em muitas escolas. Nessas suas conferências e treinamentos com professores ele jamais perguntava sobre pagamentos por que em 1º lugar dizia estava a sua missão disseminar o Spectrum, compartilhar idéias. Ele era um teórico e excelente prático, ele era uma brisa e estimulava todos a atingirem os mais altos níveis, tinha um poder que envolvia todos nas suas explanações. Estendeu neste período o seu Spectrum às outras áreas da educação.

Em 1972 – o novo livro "Do comando à descoberta" foi lançado. Jerone Bruner foi o único que comunicou do recebimento do livro e agradeceu. Neste ano foi a Israel com seus filhos e Sara com despesas pagas pelo seu pai Benny, e ficou no Wingate Institut, fez questão que a professora de Inglês que o havia forçado a sair da escola 30 anos antes recebesse o seu livro. O Spectrum o ensinou a ser mais paciente, o Centro de Ensino em New Jersey iniciou em janeiro de 1973 e continuou por oito anos com apoio federal, a liberdade para apresentar suas idéias nas escolas e para visitá-las era total neste período, e mais de 250 apresentações aconteceram. Em 1981 o presidente Reagan retirou muitos auxílios e o Centro encerrou.

No capítulo do "Second Handbook of Research of Teaching", Nixon e Locke descrevem o Spectrum de Estilos de Ensino de Mosston com o mais significativo avanço na Teoria da Pedagogia em Educação Física na história recente (p. 1227). Eles encarecem mais pesquisas e concluem dizendo que o poder da teoria de predizer os eventos de ensino e as conseqüências nos estudantes foi confirmado pelos primeiros resultados.

Mosston evitava a tecnologia, amava escrever a mão, sua letra era elegante seus pensamentos seqüenciados e poeticamente expressos. Em 1973 / 74 foi convidado para um curso na graduação e disse que isto foi muito especial para ele que embora não tendo doutorado tinha sido convidado por um departamento que o havia banido anos antes. Mosston ganhou a custódia dos dois filhos, tentou conviver com eles e sara, mas sua reconexão com eles só aconteceu após a separação dele e sara.

Na primavera e verão de 1974 – apresentou o Spectrum a 100 professores e supervisores e todos foram tocados, pois seus comportamentos e vocabulários mudaram. Paul Schemp também foi afetado pelo Spectrum de Estilos de Ensino de Mosston e escreveu sua tese "A Influência da tomada de decisão em Educação Física na criatividade de crianças", seguiu a mesma temática no mestrado e doutorado.

Os cinquenta anos de Mosston foi para ele uma celebração junto com os seus amigos e comentava sempre esta ocasião muito especial.

Em 1977 perdeu a guarda de seus filhos e volta para casa era sempre deprimente porque ele amava ser pai. Em 1978 foi convidado para fazer apresentações em Edimburgo (Escócia) isto levou a uma série de eventos que duravam uma semana por quatro anos várias regiões da Escócia foram beneficiadas com o conhecimento e implementação do Spectrum.

Mosston era um excelente contador de histórias, exagerava bastante e fazia as pessoas sentirem-se especiais. Em 1980 ainda retomou seu doutorado na Temple sob a orientação de Michael Goldberger o qual concluiu em 1982, o fez por convencer-se que o título o permitiria efetuar mais conferências em diferentes países.

O livro de 1981 foi dedicado a Nesher, um autodidata que ensinava nas escolas em Israel e que esperava que os professores de Educação Física cumprissem três princípios: amar as crianças, não considerar nenhum estilo de ensino superior a outro e que deveriam pensar antes de agir. Este professor faleceu em 1995 com 93 anos.

Num seminário com o grupo informal da Associação Americana de Pesquisa, denominado por Mosston de "Colégio Invisível", Goldberger passou-lhe a palavra para que falasse sobre a sua tese de Uma Teoria Integrada de Ensino, ele foi brilhante, ninguém o questionou, saíram pensativos e sem silêncio. O superintendente de um Distrito Educacional neste mesmo período o chamou para falar sobre o que pensou ser o trabalho de Mosston, Estilos de Professores e de alunos para que se pudesse associar as duas coisas. O que percebeu foi a mais extraordinária e potencial revolucionária teoria para campo de educação.

Ainda em 1981 seus filhos pediram para encontrar-se com ele, foi o delírio, pois foi a primeira vez que ouviu a palavra pai em anos e dizia ser este um extraordinário tempo em sua vida.

Em uma conferência em Purdue em 1981, Hugues Le Blanc do Canadá estava ansioso por conhecer o autor do primeiro livro que usava como bíblia para suas aulas e ficou encantado com a maneira como Mosston expunha sua teoria. Combinou encontrar-se com ele para um café da manhã e para contar-lhe como procedia com o Spectrum. Mosston não disse uma só palavra, só ouviu, depois se levantou andou em torna da mesa e beijou-o nas duas faces dizendo que ele conhecia os estilos, e os estava ensinando como ele gostaria que os ensinasse.

Em 1983 em licença sabática na San Diego University, Le Blanc foi assistir a uma conferência de Mosston em Los Angeles, ele o reconheceu no momento abraçou-o e o apresentou a todos como um amigo do Canadá. Isto ajudou Le Blanc a estabelecer muitas relações profissionais boas.

Em 1984 o reitor do Zinman College em Israel convidou Muska e Sara para trabalhar em tempo integral em 1985, neste período colegas buscavam junto ao Ministério da Educação, possibilidade de um plano de aposentadoria para Mosston e ele temia voltar e que o povo pensasse que ele estaria voltando após 30 anos por ter fracassado.

Bart Crum da Noruega foi apresentado a Mosston em 1984 por Risto Telama e disse atônito: pensava que Muska Mosston havia falecido anos atrás, ao que ele respondeu dando um abraço, meu jovem estou muito vivo, como pode ver!

No Congresso Pré-Olímpico em Eugene ele comentou que quando alguém fizesse uma questão que não soubesse responder esta seria excelente questão.

Ainda em 1984 recebeu na Finlândia o título de Doutor Honoris Causa em Artes Gimnicas que é atribuído a lideres internacionais no campo e que tenham contribuído enormemente com a instituição.

Para Mosston, nomes de flores não deveriam ser dados a pessoas pois flores são símbolo de juventude e não de vida.

A 3ª edição do seu livro em co-autoria com a Doutora Sara Ahsworth sobreviveu graças ao manuscrito que havia sido deixado em Portugal, por que quando passaram em Barcelona foram assaltados. Nessa passagem pela Europa 1984, 1985 viajaram 315 dias, cobriram 25.000 milhas de carro, visitaram 20 países, palestrou em 11, fez 87 palestras e escreveu em Portugal o novo livro após efetuar palestra para 250 professores.

Shi Chou – quando estudava na Universidade da Geórgia aprendeu sobre o Spectrum e disse a si mesma que iria desenvolver estas idéias ao seu país.

Depois de sua separação com Sara Ashwort após ter vivido segundo ele uma vida juntos cheia de aventura, alegria, busca e a criação de algo impossível de medir em termos profissionais. De amigos Muska e Sheila Galanter passaram a conviver durante oito anos eram muito diferentes e ela costumava dizer que cada um era o extremo oposto do Spectrum. Ele relatou a um amigo que ele estava com um avião em momentos de plena tranqüilidade após ter viajado em severa turbulência por longo tempo.

Em 1986 foi Quebec visitar Hugh Le Blanc na Universidade de Sherbrooke. Ele ficou impressionado como os estudantes estavam ensinando seu Spectrum em francês. Os estudantes (150) disseram que foi a sua melhor experiência durante este ano de programa. Nesta ocasião ouviu tocar violino sua esposa e filho, não sabia desta sua competência Sheila relata que ficou satisfeita por ter oportunizado o reencontro de Muska com seus filhos.

Em 1988 – tive o prazer de conhecê-lo pessoalmente em Pelotas no Rio Grande do Sul – Brasil, para onde fui muito assustada pois o colega Telmo Pagana Xavier então diretor do curso que promoveu o encontro, telefonou-me encarecendo que fosse e trouxesse tudo o que estava produzindo no Spectrum. Na noite anterior havia tido aula com meus alunos e levei então seus planos de ensino rabiscados à lápis, fichas construídas e a tradução do Spectrum . Pediu-me para colocar tudo bem espalhado em uma mesa enorme e dizia " It is amazing" o tempo todo ou ("Im asttowished").

A terceira edição do livro de Mosston, relata Simri, foi publicada em 1996 celebrando o 20º aniversário do Spectrum a sua expansão e significados. O Spectrum nasceu na Educação Física e se expandiu tanto nas suas percepções teóricas de ensino como na sua aplicação prática em outras áreas do currículo que o texto de 800 páginas posteriormente foi submetido à várias editoras e reduzido para 327 páginas sendo publicada então de 1990 pela Longman.

Ronie Lidor relata que como estudante no Zinmann College, em Israel, não levou muito a sério o Spectrum embora Dr. Zui Artzi dizia que não poderia se graduar sem esse conhecimento. Após concluir seu doutorado na Universidade da Flórida e tornando-se professor de aprendizagem motora e querendo mudar sua filosofia de ensino enfatizando o conceito de aprendizagem ativa nas classes e laboratório, encontrou alternativas no Spectrum relendo-o com um diferente ponto de vista. Sendo mais experiente preferia colocar mais atenção à estilos orientados para mais liberdade e o Spectrum oportunizou clara direção a ser seguida. Jiui Stiehl em 1990 era um estudante de graduação na Universidade de Beneir, Nigéria, foi salientado pelo professor Ojeme e quanto o professor Mosston havia auxiliado na filosofia profissional e acadêmica. Percebeu então o quanto sua graduação havia sido deficiente sem o conhecimento dos estilos de Mosston e decidiu então que a todos seus alunos introduziria as idéias do Spectrum. Quando se tornou professor mostrava aos alunos como o Spectrum de Estilos de Ensino estabelecia o papel do professor em cada estilo encorajado em dignidade a busca de alternativas. Conclui dizendo que onde quer que Muska esteja no céu, tenha a certeza que seu trabalho tocou a vida de muitos na África.

Ruiz na INEF de Madri, Espanha, relata que encontrou Mosston em Março de 1991 e tinha a nítida impressão de conhecê-lo muito antes do encontro porque nossos pensamentos sobre educação em geral e em Educação Física em particular eram praticamente idênticas. Nessa ocasião em um jantar Muska chorou ao ouvir canções de sua infância, ninguém sabia da origem de seus pais – Ucrânia.

Maria Tereza Garcia dos Estados Unidos conta como serviu de interprete em Madri, Bilbao e Barcelona e do relacionamento que se estabeleceu entre eles. Após a 1ª conferência conhecia as idéias de Muska muito bem. Em Barcelona sem que ele dissesse algo só olhando-o já percebeu o que ele iria dizer, todos riram, e Muska repetiu o que ela disse e mais que poderiam dispensá-lo pois ela tomaria conta. Relata que nunca encontrou alguém como ele e duvida que exista.

Moutakes conta que o trabalho de Mosston não era muito conhecido na Grécia (1991) e ele falou a um auditório de mais de 500 pessoas, muitos tiveram que assistir pelo circuito de TV. Ele circulou quase o tempo todo no meio do público e embora a tradução não estivesse boa isto não chateou o público. Ele era um showman!

Bem Sira conta que Muska foi com Sheila a Israel no mesmo ano para visitar onde iniciou sua carreira sendo visitado por muitos de seus estudantes acompanhados de suas famílias rememorando muitas situações passadas.

Em Janeiro de 1992 a revista JOPERD devotou 36 páginas para a comemoração de Prata, 25 anos de Spectrum de Estilos de Ensino e isto demonstrou o quanto importante se tornou esta teoria para a área da Educação Física.

Telama da Finlândia relata que Muska produziu um efeito significativo no treinamento de professores de Educação Física e desde 1974 todos educadores físicos são familiarizados com o nome Muska Mosston.

Ramos, comenta que Mosston ao ensinar em seminário de verão na Universidade Setol Hall 91 / 92 receberia um A+ pelo envolvimento dos estudantes em suas aulas e o programa que Raimo elaborou com ele foi aprovado pela Associação Nacional de Diretores de Educação de Professores e ainda era oferecido 1996 – 97.

Mellor (Canadá) que por ocasião do 25 th Annyversary, Mosston reuniu-se em um restaurante com seus seguidores dos Estados Unidos, Canadá e Grã Bretanha nos quais o Spectrum possibilitou laços muito fortes de afeto.

Traub relata que Mosston com sua sabedoria mudou de falar sobre sua teoria para comunicá-lo ás pessoas e que em Indianápolis pode apreciar produtos que foram criados seguindo a filosofia do Estilo Inclusão e afiliou-se nesta ocasião à Sportime como consultor chefe do Programa de Educação Física.

Suzanne sua mulher relata que em 1992 Muska retornou a Est Stroudsburg como professor do Departamento de Estudos do Movimento de Ciências do Exercício substituindo um professor em licença sabática, ensinando com muito entusiasmo e ávido para compartilhar o processo utilizado. Cada estudante para ele era especial e ficava eufórico quando qualquer um deles lhe dizia "Eu consigo pensar! Eu aprendi a pensar!" ele recebeu homenagens de honra em 1993 e muitas ovações.

Sokolov com 17 anos almejava ardentemente que Mosston o acompanhasse a um camping pois era fascinado pelas estórias relatadas por ele.

Mohor, relata que foi realmente entender o Spectrum depois de anos em que o ensinava a seus estudantes, entende agora o que Muska dizia ser provocado pelo Spectrum e o ensinava em sua escola na Geórgia com especial prazer.

Simri, relata que Muska perdeu somente um encontro com seus ex colegas de escola nos 50 anos de comemorações..

Em 1994 Muska envia a Ruiz em Madrid sua agenda para justificar que era realmente impossível ir à Espanha porque iria à Grécia, Colorado, Venezuela, New Hampshire, Israel, Suécia, Virgínia, Porto Rico, Noruega e Taiwan.

Mountakis – conta que na sua estada de Mosstom à Grécia (1994) em Atenas e Creta ela não somente fez palestras como fez muitas demonstrações práticas. Contatou com um editor grego e o seu livro saiu em 1996 lamentavelmente após ter ele nos deixado (1994).

Galanter relata do seu entusiasmo pela América Latina e que está representada pela Venezuela, Brasil, Argentina, Equador, Costa Rica, Colômbia e República Dominicana estava com o Spectrum em seus corações e mentes, para ele o mais gratificante era sua habilidade de inspirar outros.

Simri relata que Venezuela (1994) infelizmente foi sua última viagem, ele estava eufórico e com sentimento de plenitude e disse que 2 dias em Mesida foi fantástico, ele ensinou em torno de mil pessoas durante 12 horas ao dia. Esqueceu o rosto do mundo e dizia ter que continuar que isto era fantástico e que isto era sua vida. Dizia ter desenvolvido estas idéias e esperado muitos anos e agora as pessoas queriam ouvi-las, estudá-las. Dizia, preciso de toda minha saúde e energia nos próximos meses. Galanter relata que Muska adorou um chapéu espanhol que ele trouxe de Santa Sé dois meses antes do seu falecimento.

Uriel Simri talvez tenha sido o último a falar com Muska no dia 20 de julho, porque no dia seguinte a secretária telefônica atendeu, Uriel comunicou-se então com Sheila Galanter onde Muska costumava celebrar o Sabbath e foi então informada de sua morte. Pareceu-lhe incrível porque dias antes Muska parecia estar pleno de vida.

Sheila Galanter o encontrou em seu apartamento e chamou a polícia, vieram dois jovens que ficaram extasiados com as paredes que continham praticamente a vida de Mosston retratada em artigos, retratos, rotas de viagem, fizeram muitas perguntas na ocasião querendo saber mais sobre ele. Até morto continuava atraindo as pessoas e os fascinando.

O presidente Chiou havia convidado Mosston para ir a Taiwan neste anos de 1994. O que infelizmente deixou de ocorrer em vista de se falecimento.

Shih Chou ensina o Spectrum em curso denominado Pesquisa em Estratégias de Ensino em Educação Física em Taiwan no Colégio Nacional e publicou um livro.

Em Setembro de 1994 o Country College of Morres de New Jersey organizou uma celebração de amor a Muska Mosston e incluiu entre os discursos de seus filhos.

Ronny Jesse e Adam sua amiga interna Sheila Gallanter, seus colegas Michael Goldberger, Rudy e Sue Mulher, Frank Doto e Barry Tranb.

Franks fala de sua experiência com Mosston por 30 anos que era um excelente contador de estórias pois jamais se distinguia o que era verdade ou ficção e também que centrava muito suas conversas na sua vida. Weaver relata que por muitos anos, duas décadas de amizade teve muitos momentos especiais ao lado de Muska, era um homem extraordinário cheio de energia e vitalidade, excitado pelo seu trabalho e pela vida.

Franks agradece a Muska entre outras coisas por oferecer um modelo de ensino tão brilhante que foi utilizado por ele como modelo de comportamento administrativo. O elogia por saber comunicar suas idéias com concisão e clareza, à vários tipos de público os quais não somente aprendeu mas apreciam muito a experiência e se encontrava com sua paixão pela vida de uma forma tão plena.

Simri refere-se a ele como um gênio e comenta a publicação efetuada por Barry Traub em outubro de 1994 (JOPERD) onde elogia Muska dizendo entre outras coisas que ele e legou um rico idealismo profissional em trabalho monumental que serve como um mapa para o ensino e mudanças para se fazer a "viagem". Ele estava eufórico com publicação em outros países e Simri recebeu após sua solicitação para publicação no Japão.

Ashwort refere-se a 5 características principais de Muska:

  1. Funcionava sempre em seu máximo, tinha paixão pela vida.

  2. Era imagem para as tarefas rotineiras do dia a dia.

  3. Não tinha malícia, não pré-julgava os outros afastava os pensamentos negativos sempre, buscava o otimismo.

  4. Era modesto, não pretensioso, a vida era experiências e não aquisições .

  5. Via a possibilidade de desenvolvimento da dimensão humana em todos.
Seus familiares estiveram na cerimônia do Hall da Fama da Associação Nacional de Esporte e Educação Física em Portland em abril de 1995. Katzenellenbogen da África do Sul escreveu que em 22 de maio deste ano, que desde 1968 o Spectrum de Estilos de Ensino de Mosston fazia parte das orientações dos Cursos de ensino do departamento da Universidade de Stellenbosch, e que desde 1972 fazia parte do currículo de garotas na escola nacional. Em 1976 a primeira tese doutoral possibilitou traduzir as idéias do Spectrum e as inserir no currículo nacional. Ela está convencida da diferença que isto provocou ao ocorrer em aulas de Educação Física.

Simmon, dizia que Muska atualizou dia a dia a síndrome de Zorba, sua vida era uma canção das canções, uma questão para mudanças o que contava era o êxtase e não a agonia.

Para Goldberger, os relacionamentos entre professor e alunos existiam antes e existirão após Muska, ele não os envolvia ele os revelou, ele ligou as coisas e o Spectrum é elegante, é um conceito simples que se torna infinitamente mais complexo á medida em que se o estuda mais profundamente. Diz que ainda o estuda na busca de compreender as intrincadas compreensões que apresenta.

Sokolov declarou que Muska ensinou a ele uma única palavra em finlandês OOSKAMATANTA que significa inacreditável absolutamente super extraordinário e isto significa Muska para ele.

Artzi vislumbrou uma excelente oportunidade para homenagear Muska no AIESEP 1995 porque era em Israel a pátria dele e porque completaria 70 anos, lamentavelmente ele faleceu antes (22 de julho 94). Então foi agora organizado um Simpósio especial sobre seu trabalho e 10 colegas mais experts em sua obra foram convidados para dar sua contribuição.

Dircema Krug à pedido do Dr. Artzi no Congresso de Lisboa 1996 enviou um relato de um episódio de seu encontro com Mosston em Pelotas 1988 no qual dizia: após um dia de seminário saiu para caminhar com Professor Mosston e estava tão concentrada ouvindo o que seguiu direção inversa de onde deveria ir. Caminharam mais de horas e deu-se então conta que deveriam ter chegado à casa do Professor Telmo onde haveria um churrasco. Pediu informações e percebeu que o sentido tomado era inverso. Pediu desculpas a Muska e este lhe disse olhando bem nos olhos: Não há problema, nós podemos pegar diferentes caminhos às vezes, existem muitos caminhos que levam ao mesmo lugar. Ele tinha sempre uma boa palavra. Eu era muito teimosa, impaciente, ele e o Spectrum me ensinaram a ser mais paciente e aceitar que sempre existirá outra solução para cada situação. Na Universidade de Cruz Alta estudamos e aplicamos o Spectrum de 1986 a 1995 em sua forma tradicional. Em 1996 iniciamos com A Nova... Visão que conclui-se em 1998. De 2000 / 2007 desenvolveu-se na Universidade Tuiuti do Paraná um programa de Metodologia de Ensino em Educação Física baseado no Spectrum, Nova .... Visão.

De 2004 até a presente data, também na Faculdade de Educação Física do Bom Jesus/Ielusc de Joinville, Santa Catarina esta teoria deu base para as aulas de Metodologia do Ensino da Educação Física.

O Spectrum é vida, é emoção e está em pleno funcionamento deixando-nos a cada momento em dissonância cognitiva.

quarta-feira, 22 de outubro de 2008